O Governo são-tomense vai instalar no país duas pequenas centrais eléctricas de contingência com o apoio de Portugal, cujos custos rondam os 4,5 milhões de euros, disse o ministro das Obras Públicas, Infra-estruturas e Meio Ambiente, Osvaldo Abreu, citado pela Angop.

“O plano de contingência que nós temos consiste basicamente na dotação de uma central de emergência em São Tomé, com uma capacidade média de três megawatts, e uma no Príncipe, com uma capacidade de 1,5 megawatts”, disse o ministro são-tomense aos jornalistas.

“Os custos rondam cerca de seis milhões de dólares norte-americanos, incluindo alguma revisão na rede de distribuição”,acrescentou Osvaldo Abreu.

“O nosso objectivo fundamental é tentar junto das autoridades portuguesas implementar o plano de emergência no sector de energia”, disse o ministro, que garantiu ter recebido “todo o apoio” de Lisboa.

A ilha de São Tomé tem sido alvo, nos últimos meses, de apagões e cortes constantes de energia eléctrica. A única empresa de electricidade, Emae, justifica as suspensões frequentes de energia com a “manutenção dos grupos geradores”, alguns dos quais “já dão sinais de cansaço”, disse o director de Energia, Homero Boa Esperança.