O Tchad pode relançar o seu cultivo de algodão, com a entrada do grupo agro-industrial Olam International na CotonTchad, agora com um capital de 35 por cento contra os anteriores 60.
Um acordo assinado a no fim do mês passado, em N’djamena, com o grupo detido pelo Fundo soberano da Singapura, Temasek, indica que o Estado tchadiano apenas ficou com 35 por cento da CotonTchad, enquanto cinco foram entregues a título gratuito aos agricultores do algodão.
Segundo o plano de desenvolvimento quinquenal acordado pelas partes, Olam prevê, até 2030, aumentar a produção do algodão grão em 300 mil toneladas, e financiar a 100 por cento as campanhas agrícolas, sem recorrer às garantias do Estado tchadiano nem às suas subvenções.