Em Fevereiro, o tráfego aéreo mundial (inclui o doméstico e o internacional) tinha crescido 5,6 por cento, o que representava uma aceleração face ao crescimento anual atingido em 2013 que se situou nos 5,2 por cento.

“Após vários meses fortes, observamos um abrandamento no crescimento da procura. Contudo, o desempenho das economias mais maduras poderá continuar a sustentar o crescimento nos próximos meses”, disse Tony Tyler (na foto), director-geral da Iata, em comunicado.

O tráfego internacional aumentou 2,6 por cento, em Março, bastante abaixo do crescimento de 5,4 por cento atingido em Fevereiro. No período em análise, a capacidade aumentou 5,5 por cento, enquanto a taxa de ocupação média caiu 2,3 pontos, para os 78.

Já o tráfego doméstico cresceu 4 por cento em Março, após uma subida de 5,8 no mês anterior.

Por região, o tráfego internacional na Europa aumentou 2 por cento, enquanto no mês anterior havia crescido 5,7 por cento. “Este abrandamento poderá estar relacionado com um desempenho económico pior, principalmente nos mercados emergentes”, refere a Iata.

Na Ásia Pacífico, o crescimento foi de 1,1 por cento, em Março, enquanto na América do Norte o incremento foi de 0,6.

O maior crescimento sentiu-se no Médio Oriente que viu o tráfego aéreo crescer 10 por cento, seguindo-se a América Latina com um incremento de 4,7. Já em África, registou-se uma subida de 2,6 por cento.