O Banco Central da Venezuela (BCV) vendeu em 2018 cerca de 73 toneladas de ouro a três empresas na Turquia, Emirados Árabes Unidos, e Dubai, sem passar pelos controlos da Assembleia Nacional, denunciou o presidente da Comissão de Finanças daquela estrutura, Carlos Paparoni.
A empresa Noor Capital, dos Emirados Árabes Unidos, foi a maior compradora de ouro venezuelano, ao adquirir 27,3 toneladas em 2018, mas parou as compras em 25 de Janeiro e informou em comunicado que deixaria de avançar com outras operações, até que a situação na Venezuela se estabilizasse.
Além da Noor Capital, Paparoni informou que a empresa turca Sardes Kiymetli Madenler comprou 23,9 toneladas de ouro no ano passado, seguida pela Goetz, do Dubai, que adquiriu 21,8 toneladas.
“A venda que foi feita com base no ouro vindo do Arco Mineiro e não foi autorizada pela Assembleia Nacional. Não só foram cometidos crimes ambientais apenas comparáveis ao que eram as fazendas de borracha, mas estamos também a falar sobre recursos desviados e corrupção”, denunciou Carlos Paparoni.
O parlamentar explicou que, a partir da Assembleia Nacional, trabalha para que não seja vendido mais um grama de ouro pelo regime de Nicolás Maduro.