A rede social norte-americana Twitter vai suprimir nove por cento da sua força laboral a nível mundial, no âmbito dos esforços para se tornar rentável em 2017.
A reestruturação “vai concentrar-se na reorganização das equipas de venda, parcerias e ‘marketing’”, indicou em comunicado o grupo, que
nunca conseguiu lucro líquido desde a sua criação há 10 anos.
Actualmente o Twitter emprega 3.860 pessoas em todo o mundo. “Devemos tornar-nos mais rigorosos na forma como investimos nas nossas actividades e fixámos como objectivo conseguir rentabilidade em 2017”, afirmou o director financeiro,Anthony Noto, citado no comunicado.
“Pretendemos investir plenamente nas prioridades absolutas, dando prioridade mais baixa a determinadas iniciativas e simplificando a forma como operamos noutros sectores”, acrescentou, sem especificar as iniciativas em causa.
No III trimestre, o volume de negócios do grupo avançou oito por cento para 616 milhões de dólares, um número acima das previsões dos analistas (606 milhões de dólares), indicou a empresa.
O grupo reduziu as perdas para 103 milhões de dólares, face aos 132 milhões registados há um ano. Na bolsa de Nova Iorque, os títulos da empresa subiam 3,99 por cento nas transacções electrónicas feitas no período que antecede a abertura da sessão oficial.