As guerras com os taxistas, o conceito inovador e o apoio de multimilionários em todo o mundo não consegue tirar a Uber de um enorme buraco financeiro. A empresa de Travis Kalanick vale mais do que o Twitter e a General Motors juntos, mas ao contrário destas duas empresas, ainda não conseguiu um único cêntimo de lucro fora dos Estados Unidos. Mesmo no mercado norte-americano, os poucos ganhos registados no início deste ano não chegam para compensar nem um décimo dos prejuízos.
De acordo com o relatório e contas divulgado, a Uber teve prejuízos de 770 milhões de euros no III trimestre deste ano, um dos piores ciclos de três meses da história da Uber. As receitas líquidas aumentaram para uns impressionantes 1,63 mil milhões de euros e os valores pagos aos motoristas também cresceram, mas o balanço continua a ser fortemente negativo.
Nos três primeiros trimestres do ano, a Uber já perdeu mais de 2,1 mil milhões de euros em todo o mundo, acabando mesmo por sair do mercado chinês devido à incapacidade de gerar lucros e à forte concorrência da Didi Chuxing.
A razão das perdas da Uber é muito difícil de explicar, visto que os relatórios financeiros da empresa de Travis Kalanick são apenas parcialmente divulgados, com muitas informações em falta. A Bloomberg coloca mesmo a hipótese das perdas serem ainda maiores do que o reportado.
Começa a ser difícil de justificar a avaliação de 66,4 mil milhões de euros que torna a Uber a empresa mais valiosa fora das bolsas mundiais e a startup mais reputada do mundo.