As vendas mundiais de smartphones aumentaram 1,3 por cento no primeiro trimestre face a igual período de 2017. Nos primeiros três meses do ano foram vendidas 383,5 milhões de unidades, refere um relatório da consultora tecnológica Gartner.
No primeiro trimestre deste ano foram vendidas em todo o mundo 383,5 milhões de smartphones, uma subida homóloga de 1,3 por cento, ou mais cinco milhões de unidades, refere um relatório da consultora tecnológica Gartner divulgado esta terça-feira. Os smartphones representam 84 por cento dos 455 milhões de telemóveis vendidos a nível mundial entre Janeiro e Março, assinala a consultora.A procura de smartphones premium e de gama alta “continua a sofrer”, enquanto as vendas dos aparelhos de gama baixa - com preços entre 100 e 150 dólares (85 a 128 euros) – aumentaram graças a uma melhoria na qualidade dos modelos oferecidos, destaca o director-geral da Gartner, Anshul Gupta. O crescimento mundial foi limitado pela debilidade apresentada pelo mercado de telemóveis na China, refere ainda a Gartner.
A Samsung manteve a liderança do mercado de smartphones com 78,56 milhões de unidades vendidas, uma quebra homóloga de 0,3 por cento, vendo a sua quota de mercado reduzir de 20,8 por cento para 20,5 . A Apple vendeu cerca de 54 milhões de smartphones, mais quatro por cento do que um ano antes, reforçando a sua fatia do mercado de 13,7 para 14,1 por cento.
O terceiro lugar pertence à Huawei, com 40,4 milhões de unidades vendidas, uma subida de 18,3 por cento em relação ao primeiro trimestre de 2017, melhorando a sua quota de mercado de nove para 10,5 por cento.
Segue-se a chinesa Xiaomi, que aumentou as suas vendas de 12,7 milhões para 28,5 milhões de smartphones, um incremento de 124 por cento. A Xiaomi ascendeu ao quarto lugar com uma quota de mercado de 7,4 por cento, mais quatro pontos percentuais do que um ano antes. Em termos de sistemas operativos, os smartphones com Android viram a sua quota de mercado descer de 86,1 por cento para 85,9, enquanto os dispositivos com iOS subiram de 13,7 para 14,1 por cento.