A Índia tem sido a principal compradora da castanha do caju da Guiné-Bissau, mas doravante o Governo de Bissau quer que o Vietname também entre no negócio. Um memorando de entendimento nesse sentido acaba de ser assinado pelo Ministro guineense do Comércio, Vicente Fernandes, que hoje deu uma conferência de imprensa sobre o assunto.
O Vietname vai resolver o problema da castanha do caju da Guiné-Bissau, que ainda está nas mãos dos agricultores, e para o próximo ano agrícola, promete comprar toda produção da castanha guineense. Quem o diz é Vicente Fernandes, Ministro do Comércio guineense.
Fernandes esteve recentemente no Vietname, onde foi lançar um pedido de apoio, já que estava a ser complicado encontrar comprador internacional para uma boa parte da castanha do caju que, como se sabe, é o principal produto agrícola e de exportação da Guiné-Bissau.
Vicente Fernandes diz que era preciso encontrar uma saída, já que os camponeses deixaram-se enganar por uma empresa que lhes dizia que iria comprar toda castanha por 1000 francos CFA o quilograma, quando na realidade, em certas zonas o produto é comprado a 250 francos CFA o quilo.
Para este ano, o Vietname vai comprar o resto da castanha ainda nas mãos dos agricultores, a 500 francos CFA o quilograma, mas para o próximo ano - a partir de Abril - comprometeram-se a comprar entre 150 a 200 mil toneladas, ou seja, toda produção da Guiné-Bissau.

Exportadores
A campanha de comercialização da castanha do caju, principal produto agrícola e de exportação da Guiné-Bissau, vai de problema em problema, os exportadores alertando para o facto de não estarem a conseguir exportar a castanha para a Índia, principal comprador do caju guineense, devido à greve dos funcionários das Alfândegas que aderiram quase todos a greve geral de oito dias decretada pela central sindical UNTG e que tem afectado a grande maioria dos serviços públicos.