A aposta do Executivo angolano recai para uma estratégia que visa o desenvolvimento sustentável, com a construção e reabilitação das infra-estruturas socioeconómicas, com realce para as estradas, porto, aeroporto, casas, abastecimento de água potável, fornecimento de energia eléctrica, além de escolas e hospitais.
Neste particular, a linha de crédito da China tem jogado um papel preponderante para a revitalização do tecido produtivo da província.
Actualmente, em toda a extensão da província estão a nascer imponentes projectos, que fazem de Cabinda um dos pólos de atracção de investimento nacional e estrangeiro, o que está a contribuir para o ressurgimento da indústria transformadora.
A rede de estradas da província é de cerca de 1.250 quilómetros de extensão. As sedes e comunas dos municípios, assim como as principais aldeias, têm acesso pavimentado, a maioria em bom estado, o que está a facilitar a circulação de pessoas e mercadoria.
O Plano de Desenvolvimento da Província de Cabinda (2013/2017) traça as linhas essenciais que estão a contribuir na caracterização do desenvolvimento da região.
O Plano integra as iniciativas e programas promovidos pelo Governo Central, provincial, sector empresarial e outras instituições, cuja acção programática concorre para o fortalecimento da economia local.
Estes sinais estão também a contribuir para dinamizar e alavancar o sector primário, secundário e terciário, quer a nível da produção, quanto na criação de emprego, num propósito único de melhorar o bem-estar das populações.
Com uma rica história, na província de Cabinda está situada a “omnipresente” floresta do Maiombe, juntando-se assim aos atraentes pontos turísticos que a província dispõe, num misto de belas praias e lagoas.
Administrativamente, a província é constituída por quatro municípios, nomeadamente Cabinda, Cacongo (ex-Lândana), Buco-Zau e Belize, bem como 12 comunas.
Reza a história que mesmo antes da descoberta do petróleo, os portugueses que chegaram na região no século XV, quando Diogo Cão desembarcou, trocando na altura presentes com o rei do Congo e estabelecendo com ele uma forte relação comercial, Cabinda era chamada de “Porto Rico” pelas riquezas naturais existentes na região.
A sua riqueza em recursos naturais e terras férteis para agricultura, fazem com que o sector comece também a se fortificar, contrapondo assim a tendência de que a província viva essencialmente da exploração do petróleo.
Cabinda é a província mais a Norte de Angola. Faz fronteira com as Repúblicas do Congo Democrático, do Congo e com o Oceano Atlântico, tendo uma extensão territorial de 7.270 quilómetros quadrados.