Empreeendedorismo é a capacidade de detectar e explorar uma oportunidade de negócio. Por essa razão, o empreendedor é uma pessoa dotada de competências, habilidades, espírito de iniciativa para criar um projecto de carácter empresarial, ou seja, abrir e gerir um negócio.
Até há poucos anos, o espírito empreendedor em Angola, era reconhecido apenas a um grupo de pessoas. Hoje, porém, com o advento da paz, multiplicaram-se os exemplos de iniciativas de negócios de pequeno, médio e grande porte, sobretudo nas cidades, aldeias e quimbos.
Por isso, temos assistido vários jovens que deram início a pequenos negócios e hoje tornaram-se empresários de sucesso, garantindo mais empregos para muitas famílias.
Na verdade, os projectos empreendedores são diversificados, pois, podem ser aplicados em diferentes ramos de actividade económica, como na agricultura, pescas, comércio, indústria, banco, transportes e prestação de serviços.
Em suma, para se ser um bom empreendedor, o indivíduo deve ser criativo, organizado, deve saber dirigir e planificar, deve ser responsável, ter habilidade para trabalhar em equipa, gostar da área em que incide o seu projecto empresarial, ou negócio, ter coragem para assumir os riscos e ser persistente.
No entanto, o empreendedorismo é um factor importante na geração de emprego e de criação de riqueza, pois, promove o crescimento económico de um país, melhora as condições sociais das famílias e comunidades, combatendo, sobretudo a miséria e a pobreza no seio das populações.
Assim, pela sua importância estratégica e tendo em conta a reforma educativa em curso no país, o Executivo angolano, através do Ministério da Educação celebrou recentemente um acordo de parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento (ONUDI) para a implementação do programa de empreendedorismo no curriculum do ensino secundário.
Com essa iniciativa, vários esforços estão a ser feitos para que o fenómeno empreendedorismo tenha a dimensão que se pretende. Muito recentemente, e dentro do espírito do empreendedorismo, o Ministério da Juventude e Desportos lançou, na província cafeícola do Uíje, o programa de crédito projovem, que visa potenciar os jovens que possuem capacidade de detectar e explorar um negócio.
Aliás, o Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS) tem vindo, de um tempo a esta parte, levar a cabo um vasto programa de formação profissional para dotar de capacidade técnico-profissional os jovens com potencial de desenvolver qualquer actividade económica.
É certo de que o actual momento económico que a economia mundial, em particular a angolana atravessa, tem mostrado difícil para muitos, mas é exactamente em períodos de crise que as iniciativas empreendedoras devem ser implementadas para acelerar o processo de diversificação da economia