Várias actividades políticas, culturais, recreativas e desportivas marcaram a celebração do 92º aniversário da fundação da cidade do Uíje, que se assinalou a 1 de Julho. O segundo fórum de oportunidades de negócio e investimento conta-se já como um dos pontos mais alto das festividades, cujos objectivos consistiram na discussão sobre as bases para relançar a economia da província, através da dinamização de parecerias público-privadas, bem como fortalecer e criar oportunidades de negócios e investimentos sustentáveis.
Com um clima quente que propicia o cultivo de café, mandioca, dendém, amendoim, batata-doce, feijão, cacau, sisal e outros produtos de menor escala, Uíje sente a necessidade de atrair investidores para explorar aquelas potencialidades, uma vez que as infra-estruturas básicas estão criadas, designadamente, a instalação da rede de energia eléctrica a partir da barragem de Capanda, que fornece a energia aos habitantes da província, mormente dos municípios Uíje, Negage e Maquela do Zombo.
 Assim, as potencialidades mineiras, agrícolas, culturais e hídricas existentes na província são grandes factores atractivos para novos e mais investimentos na região e a promoção de negócios para que venha retomar a sua posição no contexto das regiões mais desenvolvidas do país, como aliás reconheceu a secretária de Estado das Finanças,Valentina Filipe, durante o discurso de abertura do fórum.
Da parte do Executivo, sabe-se ainda que estão identificados oito projectos estruturantes orçados em 67 mil milhões de kwanzas, que vão ser aplicados na construção de infra-estruturas de transportes e logística, obras de reabilitação de estradas e a conclusão das obras de ampliação e remodelação do aeroporto.
O Executivo e o governo da província estão a promover acções para desenvolver os sectores da alimentação e da agro-indústria, através da especialização da região para a transição da agricultura de subsistência para um modelo industrializado, maior aposta na produção do café e na exploração florestal, além da intervenção do sector privado, como é o caso da exploração do cobre nas minas de Mavoio, em Maquela do Zombo.
 Contudo, além das infra-estruturas básicas criadas e a existência de grandes potencialidades, existem ainda muitos desafios a ser enfrentados pelo sector privado coadjuvado pelo Executivo. Referimo-nos, por exemplo, a necessidade da criação de condições para a concessão de Crédito de Café para os cafeicultores, à semelhança do Crédito de Campanha Agrícola, com vista ao relançamento da produção na região. De um modo geral, exige-se maior dinamismo na cedência de créditos por parte dos bancos aos pequenos, médios e grandes produtores de diversos bens de consumo.